um blog de alguem do COUÇO, para lançar ideias e suscitar debate filhodocouco@sapo.pt
Segunda-feira, 25 de Dezembro de 2006
REFERENDO AO ABORTO

EU VOTO NÃO

 

            A actualidade impera nas nossas cabeças. Desta vez o referendo do dia 11 de Fevereiro anda às voltas dentro da minha.

            A minha decisão está tomada há já muito tempo; Eu voto “não”. O meu voto vai pelo “não” depois de alguma meditação, de algumas considerações mas, sobretudo sem influência de terceiros.

            Durante o meu período de reflexão decidi tentar responder a várias perguntas:

 PORQUÊ AS 10 SEMANAS E NÃO MAIS? –

 Dos meus conhecimentos escolares de biologia sei que até às 12 semanas o feto é um aglomerado de células e, que por volta das 12 semanas aparecem as formas básicas dos braços e das pernas (o feto começa a apresentar uma forma mais humana). Será que pensam que a forma do feto muda a natureza do acto?!

Para mim as 10 semanas não têm justificação, são uma desculpa.

- QUAL A DIFERENÇA ENTRE O DIA 1 E OS 9 MESES? -

            Não é necessário ser doutor para saber que não pode existir um bebé instantâneo com 9 meses. Não pode haver bebé de 9 meses sem o dia 1. Todos os dias até ao nascimento são imprescindíveis e são vida.

- PLANEAMENTO FAMILIAR, EXISTE? –

O planeamento da família não me parece ser prioridade deste governo nem dos que lhe antecederam, é cada um por si.

 A educação sexual é zero e da educação moral nem falo. No passado era a desculpa do analfabetismo e falta de cultura da população. Hoje a culpa só pode ser de quem nos educou. Aqueles que disseram que os seus avós não sabiam e que nada fizeram para que os seus filhos aprendessem, é desses a culpa.

Não sou radical ao ponto de dizer que o preservativo é proíbido, eu sou a favor do seu uso em determinadas circunstâncias, sou é contra todas as pessoas que o usam de forma promíscua. É a formação moral das pessoas que as guia pelos caminhos da vida.

-APOIO À MATERNIDADE, À FAMILIA E A MENORES, EXISTE? –

            Os abonos são valores irrelevantes, a saúde e educação gratuitos, tal como estão consagrados na constituição, são uma miragem.

            A lei de adopção é tão limitativa que os pressupostos socio-económicos para se poder adoptar uma criança, aplicados às famílias com filhos naturais, fariam com que estas tivessem que entregar os seus filhos. Quantos casais vivem com o ordenado mínimo e têm filhos nos primeiros anos de casamento?!

            A lei da maternidade dá agora os primeiros passos. Bem se sabe que mais por razões médicas do que por razões económicas.

-O QUE ME DIZEM AS AMIGAS QUE FIZERAM ABORTOS? –

            Nas minhas relações existem mulheres que abortaram por vontade própria. Não há nenhuma que não recorde o dia, como se de um parto com nado morto se tratasse e, dizem que carregam a culpa até ao caixão. Todas referem que até se tinha criado, era mais aperto de cinto. Até assisti à mágoa de uma que perdeu o filho num acidente e ficou sem ninguém.

-A RESPONSABILIDADE JURIDICA DA MULHER?

            Como se diz: “- quem nunca pecou que atire a primeira pedra”.

Raras são as mulheres que o fazem sozinhas. Há sempre quem viva da cultura da morte, esses são uns dos culpados. Mas não estão sós, porque o legislador é o primeiro culpado pela falta de protecção à família.

 

 

-A MINHA CONSCIÊNCIA O QUE ME DIZ? –

            A minha formação diz-me: - não matarás. É tão imperativo que mais não é necessário.

*****

            Como posso eu votar “sim”? Se o “não matarás” não estivesse acima de tudo, mesmo assim havia tanto por fazer:

- Apoio à família,

-Planeamento familiar,

-Educação moral e sexual,

-etc., …

Não posso apoiar um legislador que se quer livrar das suas obrigações. Ao votar “sim" eu estaria a dar ao legislador a possibilidade de resolver os problemas da forma mais fácil. Um aborto fica mais barato do que os abonos de uma criança até aos 18 anos, do que o aleitamento e a licença de maternidade, do que a sua educação, do que o parto, do que pagar a uma instituição de órfãos ou crianças abandonadas, etc.…. Talvez seja mais barato criar robots?! Já que a vida humana não tem valor algum para este legislador.

            Por tudo isto e, mais algumas coisas que não penso serem necessárias neste momento, a minha resposta só pode ser: - NÃO À MORTE, NÃO À INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ.



publicado por filhodocouco às 17:24
link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De Anónimo a 9 de Janeiro de 2007 às 18:42
Tenho uma pergunat para te fazer. Aliás, mais do que uma. És favorável à actual Lei? Achas que ela resolve todos os problemas? Incluíndo os problemas "morais? Lady Drella


De filhodocouco a 10 de Janeiro de 2007 às 18:38
É claro que estou contra esta lei. Como disse, a mulher não pode ser culpada de um crime que a meu ver é um crime, por negligência, do legislador. Os nossos deputados estão mais interessados no bolso deles, a plebe que se lixe.
Se houvesse apoio à família , educação decente, informação e meios disponíveis de planeamento eu até nem me importava que a lei mudasse para a que querem, as 10 semanas. Penso que se houvessem os apoios que falo e o estado ajudasse a todos os níveis a mulher, o casal e a família , a lei do aborto seria mais uma daquelas leis que não se aplicam, não haveriam casos. É claro que os casos médicos não estão aqui em causa.
Mas também não acho justo que muitas mulheres cultas, com condições económicas, muito beatas possam fazer abortos ,como quem vai ao shoping , e não sejam punidas.
A lei como esta não serve mas não se pode deixar que se matem pessoas só porque é a forma mais barata de resolver a questão. Ganhem coragem e façam uma politica de apoio à família digna de um país como Portugal, nós merecemos mais!


De Anónimo a 10 de Janeiro de 2007 às 20:45
"É claro que os casos médicos não estão aqui em causa.
Mas também não acho justo que muitas mulheres cultas, com condições económicas, muito beatas possam fazer abortos ,como quem vai ao shoping , e não sejam punidas."
Que queres dizer com "casos médicos"? e com "punidas"? Punição parece-me muito mau vindo da tua parte... Dá a outra face rapaz e pensa que não tens autoridade moral para levantar o dedo e acusar! Há diferenças entre um feto resultado de uma violação e um feto que não é resultado de uma violação?NÃO! Porque é dessa questão que estamos a tratar. DE políticas criminais que discriminam a Mulher por ser... Mulher! Não está em causa a vida humana, ou o valor que possa ter para cada um de nós. Repara, eu, que sou ateia militante penso na VIDA como algo de "sagrado" cá à minha maneira. Sou CONTRA o aborto mas, a favor da descriminalização das Mulheres que, por motivos que só a elas dizem respeito (que nem tu nem eu temos de opinar pois o corpo de uma Mulher não é propriedade pública) não desejam ter filhos. Não está em causa o tempo do feto, nem as defiociências do mesmo... nada disso. Trata-se de respeitar uma decisão, que, acredita!, não é tomada de forma leviana. Devias meditar mais sobre esta questão e pensar que o llegislador não te está a perguntar se és ou não a favor do Aborto. O legislador está a perguntar-te se achas bem que, à luz da Lei, uma Mulher seja uma criminosa por Abortar! Não estamos a falar de infanticídio... e tu, pela forma como abordas a questão, pareces querer encaminhar a coisa para aí. Reflecte sobre a tua própria posição e pensa... não te deixes prender dentro de um dogma bafiento. Relativamente à questão que colocas de apoio à família, sobremaneira importante, devo acrescentar o apoio à informação e à educação. Apoio para que as mulheres possam, em consciência, ter acesso a anticoncepcionais. Aliás... sabias que uma grande percentagem de mulheres que abortam não tomavam precauções anticoncepcionais? A Lei pode enquadrar estas mulheres e encaminha-las para estruturas onde podem fazer a aprendizagem sobre a sua própria saúde reprodutora. Enfim... parece-me que a tua posição é um pouco incoerente e às vezes contradizes-te. Estou apenas a tentar compreender.

Lady Drella


De filhodocouco a 14 de Janeiro de 2007 às 08:31
Tens razão quanto ao uso abusivo da palavra “punição”. É claro que também não tenho autoridade moral para apontar o dedo a ninguém, ninguém tem. Quanto à questão da violação, hoje em dia, não penso que seja desculpa para legalizar o aborto, medicamente existem soluções para que nem sequer exista fecundação, já quanto às outras mazelas da violação essas, serão irreparáveis.
Penso que o meu artigo já é bastante claro, não vou entrar nesta cruzada de toma lá, dá cá. Eu até compreendo a posição do PC, é o único que mantém coerência no seu discurso. Mas eu sou pela vida e, considero vida desde o início.



Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

COUÇO EM LUTA _ PONTE DE...

ALMOÇO DE REFORMADOS E PE...

APELO DA COMISSAO DE UTEN...

REUNIAO PUBLICA DA COMISS...

COMUNICADO DO MIC SOBRE O...

RECORDAÇÃO DOS SAGRADOS ...

CONCELHO DE CORUCHE PREPA...

UM PEQUENO GRANDE CICLIST...

JUNTA PAGA DIVIDA DOS ÁGU...

FALECEU OLÍMPIA BRÁS

arquivos

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

favoritos

EU E O COUÇO

links
Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO
subscrever feeds